testosterona baixa

Testosterona baixa: conheça suas causas e saiba como evitá-la

Descubra como algumas simples mudanças ajudam a reverter quadros de testosterona baixa. Evite os problemas causados pela falta do hormônio!

Ao contrário do que muitos pensam, a diminuição dos níveis de testosterona no organismo masculino é mais comum e frequente do que se imagina.

O que a maioria das pessoas não sabe são os distúrbios e os tipos de comportamento que levam a este tipo de disfunção – ou seja, também não sabem o que fazer para reverter o quadro.

E este post é justamente sobre isso!

Mostraremos, aqui, os principais sintomas que causam a diminuição desse hormônio no organismo e os fatores que podem desencadear a queda de testosterona.

Além disso, você também vai descobrir como mudanças simples de hábitos ajudam a reverter esse quadro. Confira!

A queda da testosterona

Como quase todo mundo sabe, a testosterona é o principal hormônio masculino e a responsável por diversas funções orgânicas, como a manutenção da fertilidade, o aumento da libido e do desejo sexual e muito mais.

Além disso, se você frequenta academia constantemente também sabe que ela é de vital importância para o crescimento e o ganho de massa muscular, por aumentar a força e a resistência, reduzir o percentual de gordura e evitar a perda de densidade óssea, entre outras coisas.

Contudo, cada indivíduo tem um tipo de organismo, que age e reage de formas particulares com relação a essa redução hormonal fisiológica e inevitável.

Ocorre que em muitos casos essa diminuição dos níveis de testosterona é acelerada por fatores externos e acontece de forma precoce, provocando diversas alterações metabólicas e sintomas por todo o corpo.

Causas da queda de testosterona

Geralmente, a partir dos 30 anos ocorre um declínio fisiológico, absolutamente normal, da produção deste hormônio.

Essa redução se acentua ainda mais a partir dos 40 anos de idade, com queda de aproximadamente 1% ao ano dessa produção.

Mas, além da causa fisiológica, vários outros motivos podem ocasionar a diminuição da produção de testosterona – e muitos deles não tem a ver apenas com a idade.

Na maioria das vezes, a testosterona baixa é provocada por hábitos considerados não-saudáveis, que levam à obesidade, ao sedentarismo e ao estresse.

Efeitos colaterais de medicamentos, má alimentação ou outras doenças também podem diminuir a produção hormonal no organismo.

Perda de massa muscular e força

Como já dissemos lá em cima, a testosterona é a principal responsável pelo crescimento muscular e pelo aumento de força e sua produção pode ser aumentada de forma natural.

Porém, quando o oposto passa a ocorrer em nosso corpo, sobretudo quando há perda acentuada de massa nos músculos peitorais, dos braços, das pernas e, principalmente, no abdômen, há evidente déficit de hormônio no organismo.

Com essa redução hormonal, fica mais difícil ganhar e manter a massa magra e ela dá lugar à gordura, que aumenta consideravelmente seu percentual no corpo, uma vez que esse componente inibe ainda mais a produção da testosterona.

Contudo, existem diversos tratamentos e terapias de reposição hormonal para reverter ou amenizar esse quadro. Em caso de necessidade, procure seu médico ou um profissional especializado nesta área.

Perda de densidade óssea

Além de provocar a diminuição da massa muscular e da força, a testosterona baixa também gera a perda de densidade óssea nos homens, é mole?

Esse sintoma se acentua, geralmente, entre os 60 e 70 anos de idade, e é um dos principais responsáveis pela osteoporose masculina, que, por sua vez, afeta a mobilidade e a resistência dos ossos em idosos.

Esses fatores bastante importantes devem ser levados em consideração, pois são os grandes causadores de quedas e de acidentes em homens nessa faixa etária, uma vez que tornam os ossos bastante frágeis e suscetíveis a traumatismos.

Má alimentação

Hábitos não-saudáveis de alimentação também podem prejudicar a produção de testosterona pelo organismo humano, além de comprometer os treinamentos cotidianos e o crescimento muscular.

O consumo excessivo de gordura e a ingestão insuficiente de vegetais como brócolis, espinafre, repolho, couve e agrião são hábitos alimentares que não colaboram em nada para aumentar os índices de hormônio no corpo dos homens. Pelo contrário, são bastante prejudiciais.

O açúcar é outro grande vilão da testosterona.

Em 2012, um grupo de pesquisadores publicou um estudo que detectou que os níveis de testosterona sofrem uma queda temporária de 25% por até duas horas após a ingestão de alimentos ou bebidas ricos em açúcar.

Agora pense em casos em que esse consumo é algo constante ou repetitivo.

A maioria dos participantes do estudo tiveram suas taxas reduzidas em níveis críticos, considerados como “problemas clínicos”.

Além disso, o consumo excessivo de açúcar é extremamente prejudicial para quem deseja crescer, ganhar músculos, força e resistência com qualidade. Fique ligado e mude seus hábitos o quanto antes!

Diminuição da libido e do interesse sexual

A redução da libido e uma menor vontade de fazer sexo são alguns dos principais indícios da testosterona baixa.

Normalmente, esses sintomas vêm seguidos de uma maior dificuldade de ter e manter uma ereção prolongada e problemas para alcançar a ejaculação.

Outro sintoma bastante específico da queda da produção da testosterona está na diminuição, ou até mesmo na falta, daquelas ereções matinais involuntárias.

Aqui também vale lembrar que nem sempre ereções mais fracas ou maiores dificuldades relacionadas a isso são provocadas em decorrência da testosterona baixa.

Em alguns casos, outros tipos de distúrbios, como doenças cardíacas ou diabetes, por exemplo, também podem contribuir ou até mesmo provocar esses sintomas.

Qualidade do sêmen e a fertilidade

A baixa da produção hormonal, por si só, não está diretamente relacionada aos problemas de ereção ou à qualidade delas nos homens, mas sim aos estímulos cerebrais que desencadeiam o estado de excitação masculina.

Por outro lado, a testosterona baixa prejudica a qualidade do esperma e o volume do sêmen produzido por um homem em cada ejaculação.

Em condições normais de produção do hormônio masculino, a qualidade e o volume do líquido seminal não se altera.

Em casos de queda desses níveis, essas características podem mudar bastante, comprometendo, inclusive, a fertilidade masculina por conta da baixa qualidade dos espermatozoides.

Mudanças de humor

A testosterona está ligada e age diretamente no sistema nervoso masculino, pois ela também é responsável pelas sensações de bem-estar.

E quando ela está baixa, aquém do necessário, efeitos colaterais são sentidos com os homens.

Como essa diminuição acentua-se ainda mais na terceira idade, ela é uma das principais causas da depressão entre idosos.

A falta de alegria e de disposição provocam uma maior tristeza e apatia, o que afeta diretamente o humor, o bem-estar e a motivação desses homens, podendo evoluir para quadros de doenças emocionais. Apesar de difíceis de diagnosticar, familiares devem ficar atentos.

Ao menor sinal desses quadros, é muito importante procurar acompanhamento médico especializado para que essa situação possa ser revertida o quanto antes, por meio de um tratamento de reposição hormonal adequado, por exemplo.

Problemas cognitivos

Por atuar junto ao sistema nervoso, a testosterona baixa também afeta as áreas cognitivas masculinas, prejudicando a concentração e a memória dos homens, sobretudo após os 45-50 anos de idade.

Essa perda da capacidade de se concentrar e de assimilar ideias e tarefas pode comprometer a realização de atividades cotidianas profissionais e de afazeres domésticos por conta de uma maior falta de atenção e da dificuldade de memorização.

Isso promove sentimentos de frustração, incapacidade e, por consequência, de dependência de terceiros, o que pode desencadear problemas de autoestima, confiança e motivação, também levando ao desenvolvimento de quadros depressivos.

Dificuldades para dormir

Dificuldades para dormir, agitação durante o sono, mania de acordar mais cedo do que o necessário e até insônia: todos esses episódios podem ser sintomas provocados pela baixa testosterona no organismo.

Além disso, esses problemas podem afetar a vida do homem como um todo, por que a falta do hormônio deixa o sono prejudicado, menos relaxante e reparador, atrapalhando o cotidiano.

O cansaço e a fadiga excessiva também podem ser provocados diretamente pelos baixos níveis de testosterona no sangue, que estão relacionados à produção de energia pelo organismo.

Mais medo, menos agressividade

A mudança de comportamento também pode estar relacionado aos índices mais baixos de testosterona correndo pelo sangue de um homem.

Instintos como agressividade, coragem e autoconfiança podem diminuir ou mesmo se perder com a queda da produção de hormônio pelo organismo, afinal são eles os principais responsáveis por essas características masculinas.

Com isso, esses sentimentos dão lugar a uma maior sensação de medo, menor vontade de competir e, aparentemente, um maior autocontrole.

Mas não se engane: isso pode estar relacionado às mudanças de humor e aos problemas cognitivos ligados à testosterona baixa no organismo, não necessariamente a uma maior vivência ou por conta da experiência adquirida por um homem de meia idade.

Crescimento anormal dos pelos

Níveis inadequados de testosterona por litro de sangue também podem afetar o crescimento de pelos por todo o corpo, sobretudo no rosto, no tronco e nas regiões pubianas.

Isso ocorre por que o hormônio masculino está diretamente ligado ao desenvolvimento de pelos no corpo dos homens.

Tanto é que mulheres, quando fazem uso indiscriminado de anabolizantes, passam a sofrer com o crescimento de pelos indesejados.

Uso de medicamentos

A automedicação ou o uso sem controle de medicamentos também pode fazer com a que a testosterona baixa afete sua vida.

Remédios baseados em finasterida, para queda de cabelos, e bromoprida, para melhorar a digestão, inibem e diminuem a produção de testosterona pelo organismo.

Tome cuidado, e apenas utilize quaisquer medicamentos sob orientação médica!

Suplementação

Muitas vezes, o problema não é exatamente a falta de testosterona, mas o seu mal aproveitamento pelo organismo.

A deficiência de alguns nutrientes pode fazer com que a testosterona produzida pelo corpo seja desperdiçada.

Produtos como Somatodrol agem diretamente neste problema, oferecendo tudo o que o seu corpo precisa para aproveitar melhor a testosterona que ele produz.

Com um suplemento deste tipo, a liberação de testosterona no sangue aumenta, fazendo com que o hormônio não seja desperdiçado.

Recomendações

Esses são alguns dos principais sintomas provocados pela testosterona baixa no organismo e algumas das causas mais comuns que levam a esses níveis anormais.

Porém, esses indícios também pode estar relacionados a outros tipos de doenças ou distúrbios. Por isso, ao notar alterações como essas, procure um médico para confirmar o diagnóstico.

Em caso positivo, um acompanhamento adequado é fundamental e deve ser feito mensalmente por meio de exame sanguíneo para que os níveis de testosterona possam ser corrigidos quando atingirem a metade inferior do índice de normalidade.

O objetivo é impedir que essa deficiência piore a qualidade de vida do homem, cause disfunção sexual, prejudique sua fertilidade ou provoque perda de massa muscular e densidade óssea.

Esses sintomas, inclusive, podem causar outras doenças, como a depressão e a osteoporose, que podem aumentar consideravelmente os riscos à vida dessas pessoas.

A TRT — Terapia de Reposição de Testosterona —, bastante comum em atletas e esportistas, também pode ser feita em homens com níveis de testosterona baixa.

E existem diversas formas para isso — injeções intramusculares ou subcutâneas, adesivos ou gel de testosterona —, que variam da necessidade e da quantidade de cada indivíduo.

Mas fique tranquilo! Não há relação da baixa produção de testosterona com a mortalidade masculina.

Agora é com você! Seja qual for seu sintoma, não faça nada ou tome qualquer tipo de medicamento sem antes procurar um médico. As consequências podem ser ainda piores!

Testosterona baixa: veja quais são sua causas e como evitá-las

 

Comentários