perda

A nova descoberta da ciência para uma perda de peso mais eficiente

Todo mundo vive em busca de uma rotina alimentar que ajude na perda de peso. Mas nem sempre dietas restritivas são a melhor opção. Saiba mais!

Toda dieta focada na perda de peso requer muito esforço, e geralmente para obter resultados assertivos são necessários semanas ou até meses seguindo um plano de alimentação combinado com treinos diários e mudanças específicas na sua rotina.

Mudanças essas que podem excluir de vez o consumo de frituras, doces, álcool e mais um monte de coisas que seria incrível não precisar abrir mão (se não fossem terríveis para a saúde), e ao mesmo tempo te obrigar a ter uma melhor noite de sono.

Ou seja, tem que ter muita garra para encarar tudo isso e colocar o shape em forma, não dá para negar!

Só que uma nova descoberta científica quebra alguns conceitos antigos sobre nutrição para a perda de peso. Por exemplo, que as dietas devem durar semanas (ou meses), sem mudanças na ingestão calórica diária, para gerar uma perda de peso efetiva.

Quer saber mais sobre isso e entender como essa nova descoberta pode revolucionar a alimentação de quem quer perder peso? Então se liga:

A nova descoberta da ciência para uma perda de peso mais eficiente

Restrição energética

Um estudo publicado no International Journal of Obesity reuniu dois grupos de participantes para se submeterem a uma dieta reduzida em calorias.

Durante dezesseis semanas, os participantes reduziram a ingestão de calorias em 33%, em relação a taxa metabólica basal.

No entanto, um dos grupos seguiu a dieta por duas semanas descansando por mais duas, repetindo esse ciclo durante 7 meses, e completando assim dezesseis semanas de dieta.

Após o regime, os pesquisadores examinaram os resultados e descobriram que o grupo de restrição calórica intermitente perdeu mais peso e gordura corporal durante o período da dieta, e ainda foram capazes de manter a perda de peso após o término dela.

Este grupo perdeu no total, 8 kg a mais do que o outro durante os 6 meses após o período da pesquisa.

Termogênese Adaptativa

O estudo sugere que interromper a redução energética com o equilíbrio energético (como períodos de descanso) pode reduzir as respostas metabólicas compensatórias e, por sua vez, melhorar a eficiência da perda de peso.

A explicação dos pesquisadores é que quando reduzimos a ingestão de energia (calorias) durante a dieta, o metabolismo de repouso diminui além do esperado, fenômeno denominado “termogênese adaptativa”- tornando a perda de peso mais difícil de conseguir.

Desta forma, o grande truque para continuar perder peso é atenuar a termogênese adaptativa.

Não é o mesmo que Jejum intermitente

Vale lembrar que a abordagem intermitente neste estudo difere fundamentalmente do jejum intermitente.

Em paradigmas de jejum intermitentes, a perda de peso ocorre ao longo do tempo se a ingestão de energia durante os períodos de alimentação ‘livre’ não for suficiente para compensar a ingestão de energia reduzida ou zero em dias de “jejum”.

Você pode experimentar esta dieta intermitente – duas semanas de dieta seguida de uma a duas semanas de alimentação normal.

Não só isso facilitará você se adaptar aos novos hábitos alimentares, mas também pode incentivar melhores resultados a longo prazo.

É claro que esta dieta não substitui uma consulta nutricional e o nutricionista é sempre o profissional qualificado para orientar a melhor dieta para seu caso.

Mas pode ser um novo método para você experimentar, que tal tentar? 

LEIA MAIS: Periodização nutricional: a estratégia que se adapta aos seus objetivos
LEIA MAIS: 5 dicas para conseguir rastrear macros mesmo quando você come fora

Comentários