resfriamento pós-treino descanso potencial muscular maximo

5 maneiras de fazer um ‘resfriamento’ pós-treino eficiente

Se, ao final da atividade, você estiver ofegante, com dificuldade para conversar, um “resfriamento” é essencial. Veja 5 formas de fazer isso!

Há algum tempo, a gente mostrou aqui no Feito de Iridium a importância de fazer um “resfriamento” ou “desaquecimento” no final de cada sessão na academia.

Isso é ainda mais relevante após treinos muito intensos, como treinos de resistência, cardio, HIITs e afins. Uma forma de saber se essa é uma atitude necessária é através da respiração.

Se, ao final da atividade, você estiver ofegante, com dificuldade para conversar, fazer um “resfriamento” do corpo é essencial.

A explicação para isso é simples: quando você se exercita, o coração bombeia muito mais sangue pelo corpo do que em repouso. Enquanto você está se movimentando, os músculos ajudar a bombear o sangue de volta para o coração cada vez que se contraem – os especialistas chamam isso de “segundo coração”.

Mas se você parar de se movimentar de repente, você “desliga” esse “segundo coração”. O seu coração vai continuar bombeando muito sangue para fora dele, como se você ainda estivesse treinando, mas agora sem ajuda para fazê-lo voltar.

Se você fizer o “resfriamento” – que é como o contrário do “aquecimento”, e por isso também chamado de “desaquecimento” – você evita este tipo de problema.

É por isso que nós separamos aqui uma lista com 5 atitudes que podem funcionar como uma ótima maneira de “resfriamento” pós-treino.

Se liga:

5 maneiras de fazer um ‘resfriamento’ pós-treino eficiente 

1- Diminuição do ritmo

Quando você está se exercitando, seu nível de esforço é muito alto e o corpo precisa de ajuda para voltar ao normal – como explicamos aí em cima.

Se você simplesmente interromper a atividade e parar de se movimentar de repente, pode sentir tonturas e até desmaiar – claro que esse é um caso extremo, mas o fato é que você coloca sua saúde em risco.

Não é por acaso que, por exemplo, ciclistas e corredores profissionais vão diminuindo o ritmo aos poucos antes de sair da esteira ou da ergométrica, e não simplesmente interrompem um sprint e vão para o vestiário.

Isso vale também para quem puxa ferro. O ideal, após uma sessão intensa, é fazer um alongamento dinâmico, com exercícios como o Avanço com o peso corporal e outros movimentos do tipo.

Assim, você ajuda a diminuir seu ritmo cardíaco de forma menos drástica.

2- Alongamento

Após um treino de força ou cardio, seus músculos estarão aquecidos, o que os deixa mais elásticos e flexíveis. É o melhor momento para trabalhar sua flexibilidade.

Apesar de o alongamento não estar relacionado diretamente à prevenção de lesões como muita gente acredita – o ideal, para isso, é o aquecimento, antes de começar a treinar – ele é eficiente para diminuir ou tratar as dores pós-treino.

Isso porque o alongamento ajuda os músculos a relaxarem e a diminuir a tensão provocada pelos exercícios.

Alpem disso, alongar ajuda a manter a circulação sanguínea mais elevada nos músculos, o que aumenta a “entrega” de oxigênio e nutrientes, favorecendo a recuperação.

3- Hidratação

 

Sempre que você faz uma atividade física, você gasta um pouco da água do seu corpo – o suor é uma das provas disso.

Repor o estoque de água após um treino ou uma atividade física intensa é essencial para manter o organismo funcionando corretamente, mas também para diminuir as dores e aumentar a força e a flexibilidade.

É difícil dizer exatamente quanta água você precisa ingerir após o treino, mas uma forma fácil é usando uma balança. Você deve se pesar antes e depois do treino e ingerir o equivalente ao peso perdido, mais 25-50% para compensar o que você perde na urina.

Ou seja, se você pesava 75kg antes do treino e terminou com 74kg, perdeu 1kg – isso significa que você precisa tomar cerca de 1,25 litro a 1,5 litro de água após o treino.

Claro que essa é uma conta genérica, que não considera aspectos individuais e não deve servir para determinar exatamente quanta água você deve beber, mas pode sim servir como parâmetro.

4- Suplementação

como tomar whey protein

Independentemente do horário em que você treina, é fundamental consumir proteínas após o treino. Só que em alguns momentos do dia, consumir isso numa refeição não é lá muito fácil ou agradável.

Por exemplo, se você treina muito cedo, não é fácil comer frango e ovos no pós-treino. Nesses casos, a solução é a suplementação.

Sempre que você estiver impossibilitado de consumir uma boa quantidade de proteína no pós-treino, tome um shake de whey protein ou consuma qualquer outro suplemento proteico.

No pós-treino, os músculos estão mais propensos à absorção de nutrientes, e o consumo de proteínas e carboidratos (ambos presentes no whey protein, especialmente no concentrado) ajudam no desenvolvimento e na recuperação musculares.

5- Massagem

massagem foam roller

É bem verdade que a ciência se divide quando o assunto é o impacto da massagem muscular na aceleração da recuperação dos músculos. Mas a grande maioria dos especialistas em educação física e dos atletas comprova que esta é uma boa ideia.

As massagens são sim eficientes para quebrar aderências e “nós” musculares, realinhando as fibras.

Isso ajuda a diminuir as dores e o cansaço, e independente de isso acelerar ou não o desenvolvimento muscular, vai te fazer bem.

Não são apenas as opções que dependem de um massagista que podem ser úteis – como a gente já mostrou aqui no Feito de Iridium, exercícios com rolo de espuma (“foam roller”) também são uma boa pedida.

Neste caso, apenas tome cuidado para não fazer os movimentos com muita força e agressividade.

E aí, você já faz alguma(s) dessas coisas para “desaquecer” seu corpo após o treino? Como é seu “resfriamento”?

Comentários