Herois da quebrada: os brasileiros que dão show de força e potência nas periferias

Brasil não é só futebol. O país está cheio de gente batalhando (e dando show) na calistenia, capoeira e outras modalidades. Conheça os “heróis das favelas”!

O esporte salva vidas. E isso não é novidade para quem vive no “país do futebol”, onde crianças pobres se tornam mundialmente famosos da noite para o dia. Só que não é só o futebol que cumpre esse papel.

Um documentário de curta-metragem produzido pelos canais Strenght Project e Power Tube Moves visitou algumas favelas brasileiras e mostra como a calistenia, a capoeira, o break e outros esportes e atividades físicas que exigem enorme desenvolvimento de força e potência musculares estão ajudando milhares de jovens nas regiões mais pobres das grandes cidades brasileiras.

E a quebrada mostra que entende do assunto! Quem vive essa realidade sabe muito bem, mas muita gente sequer imagina. E no filme dá para ver o potencial dos atletas das periferias, que podem não aparecer na televisão, mas que estão fazendo a diferença nos lugares onde moram., seja praticando em grupo, dando aulas ou simplesmente se divertindo.

O ‘doc’ tem imagens impressionantes e outras bem tristes, mas a moral da história é que a força e a técnica dos brasileiros não está só nos parques de bairros nobres ou nas academias caras, muito menos apenas nas competições internacionais. 

O filme foi produzido no ano de 2016, motivado pela realização das Olimpíadas do Rio 2016, e serve não apenas para reforçar o absurdo que é a falta de investimento do Estado brasileiro nos esporte, mas, principalmente, para deixar claro que, mesmo com incontáveis dificuldades, muita gente está na batalha para conquistar os seus sonhos. 

Conheça os heróis da quebrada – ou “Brazil Favela Heroes”, como se chama o filme. Assista abaixo:

LEIA MAIS: A bodybuilder mais velha do mundo vai fazer você repensar sua vida 
LEIA MAIS: O show dos ‘pesos-pesados’ do levantamento de peso na Rio 2016 
VEJA MAIS: [VÍDEO] Andrew Jones: um gigante que não tem coração – literalmente!

Comentários