Ginecomastia

7 hábitos ruins que são capazes de causar ginecomastia

Repense alguns hábitos corriqueiros em seu dia a dia, que podem prejudicar a sua saúde e seu treino, e ainda causar a temida ginecomastia.

Se você treina pesado, já deve ter ouvido falar em ginecomastia, certo?

Um dos maiores temores dos homens, esse assunto está ligado à musculação porque pode ter relação com a testosterona, um dos principais hormônios para quem quer desenvolver os músculos, e com o uso de anabolizantes.

A ginecomastia é basicamente o crescimento de mamas nos homens – aumento que pode ser glandular, adiposo ou misto.

Na maioria dos casos acontece devido à patologias, geralmente associadas a desequilíbrios hormonais liderados pelas células de gordura – ou seja, quando a testosterona cai e o estrogênio aumenta.

Esse desequilíbrio hormonal pode ser causado por péssimos hábitos dos homens. 

E a ginecomastia pode se tornar um problema não apenas pela questão estética, mas também de saúde.

Então, é fundamental evitar hábitos que podem levar a esse quadro e, claro, ter acompanhamento médico caso já sofra com esse problema, que pode ser um sinal de desequilíbrio hormonal capaz de desencadear uma série de outros problemas.

Se liga:

7 hábitos ruins que são capazes de causar ginecomastia

Pessoa comendo junk food

1 – Ganhar Peso

Se você der aquela escapada da dieta frequentemente, ou simplesmente se não mantiver uma boa alimentação, é bem provável que desenvolva ginecomastia.

Isso porque o tecido adiposo aumentará em relação ao magro, produzindo mais hormônios estrogênicos que andrógenos.

2 – Restringir a dieta

Mais ou menos como dissemos acima, não comer adequadamente pode desenvolver mamas em seu peitoral.

Privar-se de uma boa alimentação faz os níveis de testosterona caírem – mas não interfere nos níveis de estrogênio.

A perda significativa de peso e a desnutrição causam o hipogonadismo, quando os testículos produzem pouco ou nenhum hormônio.

Tanto a obesidade, quanto a perda significativa de peso podem causar o hipogonadismo que, consequentemente, causa a ginecomastia.

3 – Remédios

Muitas das medicações prescritas para pacientes contém em sua composição propriedades referentes ao estrogênio.

Isso acaba elevando os níveis de estrogênio ou simplesmente incluindo hormônios androgênicos que podem ser convertidos em estrogênio.

Estudos mostram que anfetaminas, antidepressivos, antibióticos e medicamentos para pressão arterial podem ocasionar este problema.

4 – Anabolizantes Anabolizantes

Um dos fatores mais comuns de causa de ginecomastia é o uso excessivo de esteroides anabolizantes. Muitas vezes, de acordo com pesquisas, pode ser até irreversível.

A ginecomastia acontece quando homens fazem uso dos anabolizantes para aumentar a massa magra.

A injeção de testosterona exógena inibe a produção natural do hormônio, que não consegue se recuperar rapidamente entre os ciclos para prevenir a predominância de estrogênio.

Além disso, a testosterona em excesso é convertida em estrógenos pela ação da aromatase.

5 – Uso de produtos à base de ervas

Um estudo realizado pela New England Journal of Medicine, em 2007, revelou que o óleo da árvore de chá e o óleo de lavanda, quando usados topicamente, podem causar ginecomastia.

Estes óleos estão presentes em alguns xampus, loções e sabões e podem acabar exercendo a mesma atividade do estrogênio, afetando o efeito dos hormônios androgênicos no corpo.

É claro que, para chegar neste ponto, é necessária a utilização de grande quantidade e por longos períodos, então não é a causa mais comum.

De qualquer forma, não custa procurar produtos que não tenham essas duas substâncias na composição.

6 – Abuso de álcool

efeitos do alcool

 

Beber cerveja excessivamente todos os dias te deixará com barriga, prejudicará seu fígado e também poderá resultar em uma ginecomastia.

Isso se deve ao fato de que o álcool prejudica o trabalho do fígado de retirar o excesso de estrogênio do sangue.

O consumo frequente de cerveja ainda pode levar ao aumento de peso e gordura corporal, e o sobrepeso aumenta a conversão dos hormônios em gordura, o que poderiam causar a ginecomastia.

É pra parar de beber por causa disso? Bom, esse é apenas um dos milhares de problemas causados pelo consumo de álcool… se mesmo assim você não abre mão do hábito, pelo menos tenha uma palavra sempre na cabeça: moderação.

7 – Ficar ‘chapado’

Por último, a probabilidade que gera mais discussão. Isso porque as pesquisas que buscam estabelecer uma relação entre ginecomastia e o uso contínuo de maconha muitas vezes se contradizem.

Mas um estudo realizado em animais comprovou que a exposição à uma das substâncias presentes na maconha reduz a produção de testosterona, o tamanho testicular e a produção de esperma.

Outra pesquisa, que separou dois grupos de usuários e não usuários de maconha, comprovou a redução na produção do hormônio masculino para quem fazia uso da droga.

Entretanto, uma outra pesquisa contraria as outras duas citadas acima, onde não houve redução na produção de testosterona.

Pelo sim, pelo não, não custa se prevenir – de novo, moderação é a palavra-chave.

LEIA MAIS: Dieta hCG: o que é e quais os riscos que ela pode causar
LEIA MAIS: As melhores gorduras para aumentar a produção de testosterona

REFERÊNCIAS: 

MENDELSON, J. H. et al. Plasma Testosterone Levels before, during and after Chronic Marihuana Smoking. The New England Journal of Medicine, v. 291, n. 20, p. 1051-1055, nov/1974. (link)

KOLODNY, R. C. et al. Depression of Plasma Testosterone Levels after Chronic Intensive Marihuana Use. The New England Journal of Medicine, v. 290, n. 16, p. 872-874, apr/1974. (link)

BROWN, T. T.; DOBS, A. S. Endocrine Effects of Marijuana. Journal of Clinical Pharmacology, n. 42, p. 90-96, 2002. (link)

NUTTAL, F. Q. et al. Gynecomastia and drugs: a critical evaluation of the literature. European Journal of Clinical Pharmacology, v. 71, n. 5, p. 569-578 (link)

DICKSON, Gretchen. Gynecomastia. University of Kansas School of Medicine, v. 85, n. 7, p. 717-722, 2012 (link)

CANHAÇO, E. E. et al. Ginecomastia. v. 43, n. 5, p. 197-202, 2015 (link)

Comentários