erros pegada

3 erros na pegada que podem comprometer o seu treino

Uma pegada forte pode fazer diferença no seu desempenho. Mas não adianta só trabalhar o antebraço, é preciso evitar erros!

Uma boa pegada é essencial para uma boa performance no treino. Só que esta é uma habilidade pouco explorada pela maioria das pessoas.

O pior é que quando o treino de antebraço, que é a parte do corpo responsável por essa capacidade, não é negligenciado, ainda existem os erros de pegada que passam despercebidos por quase todo mundo.

Porque é isso mesmo: não adianta treinar antebraços loucamente, desenvolver uma pegada forte, e errar na hora de usar esta habilidade – e acredite: isso é muito comum.

Em exercícios de levantamento de peso, a pegada é capaz de otimizar (ou arruinar) a sua performance. Se fizer tudo direitinho, os benefícios serão muito maiores.

Só que esse “direitinho” não diz respeito apenas à força, mas também aos posicionamento das mãos, angulação dos punhos e dedos, entre outros detalhes.

Confira aqui 3 erros bastante comuns de pegada, que podem comprometer a eficiência de um exercício, mesmo que você tenha trabalhado anos e anos no desenvolvimento dos seus antebraços.

3 erros na pegada que podem comprometer o seu treino

1- Punho torto no supino

certo e errado - pegada no supino

Esse é com certeza o erro de pegada mais comum nas academias. Ele acontece quando você segura o peso com a palma da mão apontando para cima e não para frente (veja na foto acima).

Esse erro diminui a estabilidade dos punhos e a força da pegada, comprometendo o exercício. Para corrigir o problema, pense sempre que a posição correta é a que você manteria se o seu objetivo fosse dar um soco no teto.

Além de evitar lesões e garantir todos os benefícios do exercício, a correção deste problema pode permitir que você levante ainda mais peso, deixando seu supino ainda mais eficiente.

2- Terra só com pegada invertida

pegada invertida - deadlift levantamento terra

A pegada invertida é aquela em que uma mão fica numa posição e a outra mão fica em outra – no caso, uma mão com pegada pronada e a outra supinada. É uma boa opção, mas não deve ser a única.

Se você fizer o levantamento terra com pegada invertida toda vez, pode gerar desequilíbrios no seu corpo, simplesmente porque a ativação dos músculos varia de acordo com a pegada e atinge até sua coluna.

No fim das contas, além de influenciar esteticamente, pode provocar lesões e desenvolver pontos fracos.

A pegada invertida não é errada nem ruim, ela só deve ser usada com moderação, como uma opção e não uma obrigação.

3- Pegada fechada na puxada

pegada correta na puxada na polia alta

Se você faz a puxada na polia alta com o dedão em volta da barra (“fechando” a pegada ao invés de deixar as mãos como um “gancho”) você pode limitar o envolvimento do músculo primário deste exercício: o latíssimo do dorso.

Sem o dedão contornando a barra, a tendência é que você jogue o trabalho mais nas costas e menos nos braços, deixando o exercício mais eficiente no que ele se propõe – desenvolver as costas.

Esse erro não só reduz a eficiência do trabalho de dorsais como dificulta o treino, porque muita gente acaba ficando com os braços fadigados antes das costas neste exercício – e pegada fechada força muito o braço.

Quando isso acontece, você termina o exercício com uma ativação muita pequena do músculo que está tentando trabalhar. Tirar o dedão da jogada tira também o esforço do antebraço e do bíceps, ativando mais as costas.

Esses 3 erros mostram como a pegada é um assunto relevante para o seu treino. E não apenas pensando em desenvolver uma pegada firme e forte, mas também em saber utilizá-la.

Você comete algum desses erros? Preste atenção e, se for o caso, corrija!

via Stack

Comentários