exercicios leg press

5 erros comuns e que podem acabar com a eficácia do leg press

O leg press não é tão simples como muita gente imagina, e precisa de atenção para ser eficiente e útil. Veja alguns erros a evitar!

O leg press é um ótimo exercício e muito querido pelas pessoas por ser relativamente fácil de executar. Só que ele não é tão simples como a maioria das pessoas imagina.

E, para oferecer os melhores resultados, é evidente que, como qualquer exercício, o leg press precisa ser feito com perfeição – tanto na definição da carga, quanto na execução.

Há uma certa polêmica em torno da eficiência do leg press em relação à outros exercícios como agachamento, mas, independente dele ser pior ou melhor, o fato é que ele ativa quadríceps, posteriores, glúteos e panturrilha simultaneamente.

Mesmo que não seja o melhor exercício do mundo, se feito adequadamente, pode ser útil. Só que para chegar lá é preciso atenção. E evitar alguns erros básicos. Se liga:

5 erros comuns e que podem acabar com a eficácia do leg press

1- Segurar os joelhos

leg press

Você já deve ter notado que toda máquina de leg press tem dois “seguradores” nas laterais, certo? Você acha que eles estão ali de enfeite? Não, eles estão ali por um bom motivo.

Essa mania de colocar as mãos nos joelhos, como se estive segurando as pernas, pode arruinar o exercício.

Isso porque, para fazer isso, é bastante provável que você modifique a posição da coluna, em alguns casos até tirando as costas do banco, e isso pode minizar resultados e, pior, causar lesões.

Então não invente moda de segurar os joelhos – não é esta a forma adequada de aliviar a pressão na articulação. Se você sentir essa necessidade, é provável que esteja com a carga errada.

Use o equipamento direito e coloque as mãos nos “seguradores” laterais.

2- Tirar o calcanhar do ‘sled’

Algumas pessoas, por incrível que parece, acham mais conveniente empurrar o sled com a ponta dos pés. Mas isso é uma grande erro.

Se os calcanhares não estiverem encostados, você vai colocar mais pressão ainda sobre os seus joelhos.

Para completar, ainda vai diminuir a sua capacidade de gerar força para empurrar o equipamento para cima. O ideal é deixar toda a sola dos pés em contato com o ‘sled’.

Isso evitar sobrecarga nos joelhos, melhora e execução do movimento e ainda permite um melhor desempenho no exercício.

3- Baixar o ‘sled’ o máximo possível

Algumas pessoas preferem o leg press do que o agachamento pelo fato de o primeiro ser um pouco mais fácil e por não forçar tanto a coluna.

Só que, na verdade, apesar de uma parte da porção inferior da coluna realmente sofrer menos pelo fato de estar fixada, a coluna lombar também fica vulnerável neste exercício.

Se você trouxer o sled para muito perto do corpo quando baixá-lo, a tendência é que você eleve os glúteos e até a coluna , o que coloca os discos da coluna lombar em risco.

A forma mais adequada de fazer o leg press é abaixar o sled apenas até um ponto em que você não tire nem um milímetro dos glúteos ou da coluna do banco.

4- Apontar os joelhos para dentro

É mais comum ver essa situação acontecer com mulheres, mas não é uma exclusividade. Acontece como resultado de um esforço quase involuntário, do subconsciente, que é causado em geral por fraquezas ou problemas no quadril.

O ponto é que fazer isso aumenta o risco de sofrer uma lesão no ligamento cruzado anterior dos joelhos e, além de aumentar a pressão nos joelhos, o faz também no quadril e na lombar.

Para corrigir esse problema, além de prestar muita atenção durante a execução do leg press, o ideal é conversar com seu professor para verificar a existência de problemas de desenvolvimento do quadril.

Se este for o caso, o ideal é fortalecer o glúteo médio e outros músculos da região – a máquina abdutora é uma boa pedida.

5- Esticar a perna e travar o joelho

No leg press, a amplitude de movimento correta não é simplesmente a maior possível. Esticar as pernas até o ponto em que você “trava” os joelhos é um grande erro.

Quando faz isso, você transfere toda a tensão dos músculos para os joelhos, colocando a articulação sob um risco seríssimo de lesão.

Algumas pessoas fazem esse movimento entre as séries, para dar uma descansada, mas elas não percebem o quando isso contraproducente, pois, para maximizar o tempo na academia, colocam o joelho em risco – e uma lesão o deixaria afastado dos treino por um bom tempo.

Essa atitude e ainda pior quando o exercício está sendo executado com cargas elevadas, mas, mesmo em treinos leves, deve ser evitado.

Comentários