dieta cutting

Cutting: o que é e como pode fazer você perder gordura?

Tática utilizada para diminuir o índice de gordura corporal pode ser uma saída se você já tiver ganhado massa muscular; veja como isso funciona

Então você já treinou pesado, cresceu pra caramba e, junto com a massa muscular, ganhou também um pouco de gordura. Está na hora de se livrar dessa massa gorda e fazer os seus músculos aparecerem!

O melhor caminho para isso: fazer um cut!

Mas, ao contrário do que muita gente imagina, o cut (palavra em inglês para “cortar”) não é necessariamente uma dieta.

Para queimar gordura fazendo cutting, você pode mudar seu treino, sua dieta e até sua dedicação – são milhares de caminhos possíveis.

Por essas e outras, não existe uma única “dieta cutting” – o que existe é uma dieta PARA cut. Cutting é um processo, que envolve diversas atitudes além de uma boa alimentação.

É sobre isso que falaremos aqui.

O que é cutting?

Quando os atletas ou pessoas interessadas em desenvolver uma melhor forma física começam a se empenhar para diminuir a gordura corpórea, ela fazem o cut.

O cutting normalmente acontece depois do ganho de massa muscular e vem com o objetivo de diminuir a gordura que foi conquistada nesse processo.

Nesse caso é bom ser bastante franco e reconhecer que a medida também trará um pouco de perda de massa muscular: tenha em mente que perder um pouco de músculo é o resultado comum do cut.

É claro que esse não é o resultado ideal, mas dependendo das medidas que você tomar, essa perda pode ser maior ou menor.

A dieta é um dos passos importantes para conquistar aquele corpo definidaço, principalmente quando o assunto é queimar gordura. Ela pode ser mais importante até que o próprio exercício físico.

Isso acontece porque não adianta treinar pesado para poder crescer se a sua alimentação é completamente desregrada. Assim o processo fica bem mais difícil!

A ambição de quem faz cut é diminuir a quantidade de gordura no corpo para atingir índices abaixo de 10%, com o objetivo de que os músculos do abdômen e do corpo todo fiquem muito mais aparentes.

Outra vantagem é o aparecimento de maneira mais nítida das fibras musculares, favorecendo aquele perfil corporal que os bodybuilders levam ao extremo.

Como fazer uma dieta para cutting?

Como já falamos, o cut consiste na necessidade de cortar a quantidade de gordura do corpo, e uma alimentação adequada é fundamental.

Se você tem vontade de participar de uma competição de fisiculturismo, por exemplo, esse é um passo que não deve ser colocado de lado de maneira alguma.

Porém, o cut pode ser feito por qualquer tipo de pessoa que esteja com índice elevado de gordura corporal.

Em um primeiro momento, comece analisando seu corpo, reparando em todas as falhas, pontos fortes, etc. Esse é o momento certo para ser muito crítico e mensurar quanto tempo demoraria para colocar tudo que você deseja no lugar.

Você pode (e deve) procurar a ajuda de um profissional para saber a quantidade de gordura ideal para o seu biótipo.

Ao cortar a gordura, tenha sempre em mente a necessidade de respeitar os limites do seu próprio corpo. Por exemplo, não é saudável sair perdendo gordura de forma desenfreada e, justamente por esse motivo, é muito importante fazer tudo de forma mais lenta.

Implantar a dieta com rapidez e muito rigor pode simbolizar a perda de muitos dos músculos que você conquistou, e isso é algo totalmente impensável depois de tanto esforço, não é, não?

A melhor maneira é fazer com que a perda de peso aconteça girando em torno da queima de mais ou menos meio quilo por semana. Essa é uma quantidade que permite que seus músculos sejam preservados, pois é possível reter a massa muscular.

Você pode até otimizar os resultados, chegando a 1 kg por semana, mas precisa prestar mais atenção no treinamento e na nutrição nesse período.

Quem utiliza o cutting?

cutting é um verdadeiro sucesso entre os fisiculturistas, mas está se tornando mais comum e atingindo a população em geral.

Essa é uma maneira eficiente de fazer o seu corpo secar, portanto é bom pensar em qual é a sua intenção e conversar com seu nutricionista ou médico para ver em qual grau ela é indicada para você!

Além da alimentação, no que focar durante o cutting?

cutting consiste em uma série de medidas, e a alimentação é a principal delas. Mas existem outras.

A mais importante é aumentar o gasto calórico, seja fazendo mais exercícios aeróbicos na rotina de treinos, seja treinando mais (e/ou mais pesado).

Mas não para por aí: suplementos termogênicos também são uma ótima arma para quem quer fazer cut e se livrar da gordura corporal. E ainda há a questão da motivação: se você se dedicar mais nos treinos, especialmente aeróbios, vai queimar mais gordura.

Para alguns estudiosos, o cutting ideal é firmado em três pilares:

  1. Manter o máximo possível de massa muscular;
  2. Perder o máximo possível de gordura;
  3. Tomar as duas medidas anteriores de maneira que não impacte no seu desempenho nos exercícios.

Por isso, fazer só uma dieta que ajude a queimar gordura não basta. É preciso combinar outras atitudes para ter resultados realmente efetivos.

Dieta e exercícios aeróbicos

Como falamos acima, os exercícios aeróbicos são um poderoso aliado para a queima de gordura.

Você está liberado caso tenha muita facilidade de emagrecer, mas, caso contrário, deve adotar o exercício como prática e acrescentá-lo em sua rotina.

Você pode começar fazendo isso aos poucos, começando com 2 sessões por semana e ir progredindo. Os fisiculturistas, para você ter uma ideia, fazem duas sessões por dia, perdendo muitas calorias – e podendo perder também massa muscular.

Mas tudo depende do que você pretende atingir, de modo que você precisa praticar na intensidade que considerar mais apropriada.

Uma dica para ajudar nesse exercício tão importante para a queima calórica é: variação. Essa é uma maneira eficiente de não cair no hábito monótono, ajudando a manter a motivação.

Você pode fazer 20 minutos de bicicleta e 20 de esteira para começar, por exemplo. Mas você pode criar sua rotina da maneira que preferir!

Treino e musculação

O treinamento com peso é um ponto importantíssimo na construção de massa muscular. Esse ponto é fundamental também para manter o corpo bombado, já que quanto mais massa muscular você tem, mais o corpo se esforça para sustentar todo o tecido.

Isso faz com que você tenha uma queima calórica alta mesmo enquanto está descansando. E o treino com peso vem para preencher justamente essa lacuna, fazendo com que a massa muscular seja preservada durante o cutting.

Como a dieta tem um perfil mais agressivo, é muito importante desenvolver mecanismos para preservar a massa muscular, e o treino ou a musculação vem justamente com esse propósito.

Proteínas e seu papel fundamental

O grupo das proteínas tem um papel importantíssimo nessa dieta, e você pode explorá-lo sem medo. Ele é um nutriente fundamental para a manutenção muscular, fazendo com que os músculos se tornem mais firmes e sejam preservados com mais facilidade.

O processo começa logo após a ingestão, quando as proteínas chegam ao organismo e são quebradas em aminoácidos. Em seguida, esses aminoácidos são liberados na corrente sanguínea e começam a desempenhar seu papel logo depois de serem absorvidos pelas células.

A síntese de proteína acontece com muito mais facilidade quando o seu corpo recebe uma quantidade maior de proteínas e consegue utilizar em aminoácidos mais rapidamente.

Portanto, consumindo a proteína na quantidade recomendada, fornecerá os aminoácidos em seu sangue que são fundamentais neste processo.

Além de ajudar na síntese dos músculos, as proteínas desempenham um papel muito importante em sua proteção, de certa maneira servindo como blindagem.

A proteína ainda pode funcionar como um termogênico no seu corpo, facilitando a queima calórica com o aumento da temperatura corpórea.

Embora também possa ser uma fonte de energia, a proteína não tem um papel tão relevante como os carboidratos, podendo prejudicar o aumento da massa muscular.

Sabe por quê? Porque o processo de produção é muito mais elaborado para que o corpo a utilize simplesmente na geração de energia, fazendo com que seja direcionada para outras funcionalidades.

Fuja dos carboidratos em excesso

Assim como as proteínas têm um papel importantíssimo para aqueles que querem aderir ao cutting, os carboidratos podem ser um verdadeiro empecilho.

É claro que a melhor medida pode não ser parar de consumir esse grupo de uma só vez, mas você pode diminuir a quantidade significativamente.

Os carboidratos são facilmente convertidos em glicose, portanto é importante ter certa quantidade no seu corpo, de modo a impedir que ele utilize as proteínas na geração de energia.

Essa é justamente uma das funções mais importantes do carboidrato: fazer com que o corpo poupe as proteínas, dando espaço para que elas sejam armazenadas e utilizadas no desenvolvimento dos músculos.

Os carboidratos também auxiliam na liberação de insulina. É claro que, para uma queima mais eficiente de calorias, é melhor que a taxa de insulina esteja mais baixa. Mas calma aí, não tão mais baixa assim!

A insulina tem importantes funções no corpo, ajudando o objetivo de manter e ganhar massa muscular.

Mas o ponto mais importante da dieta está no fato de que, ao cortar uma grande quantidade de carboidratos, você faz com que seu corpo se veja estimulado a usar a gordura como fonte de energia.

Só de imaginar o seu corpo usando a gordura na produção de energia já é muito bom, não é, não? Se a dieta estiver bem equilibrada, esse pode ser um ponto que vai funcionar!

Alimentos bons para essa fase

Como a dieta para quem está fazendo um cut envolve um perfil mais restritivo na hora de se alimentar para que haja uma perda de peso eficiente, é bom conhecer os melhores alimentos para se consumir nesse período.

Pensando nisso, nós sugerimos alguns alimentos importantes para os marombas não passarem fome enquanto eliminam as gorduras e mostram o abdômen trincadão. Confira:

Proteínas

  • Atum – ou a grande maioria dos peixes;
  • Ovos – os queridinhos de quem quer aumentar a ingestão de proteína;
  • Peito de frango – não se esqueça de tirar a pele e o osso;
  • Carnes magras – explore a carne saborosa sem aquela gordurinha.

Carboidratos

  • Batata doce – (você já deve estar acostumado a comer esse!);
  • Arroz integral;
  • Pão integral;
  • Frutas (de preferência de baixo índice glicêmico)

Gorduras

  • Cápsulas de ômega 3;
  • Óleo de linhaça;
  • Azeite de oliva;
  • Peixes – procure dar preferência ao salmão.

Depois de um período com uma dieta muito restritiva proveniente do cutting, é fundamental dar um espaço para voltar a comer normalmente. Afinal de contas, nenhum corpo dá conta de manter esse ritmo de maneira saudável por muito tempo. É muito importante parar um pouco!

Quando chegar o momento de reintroduzir os alimentos que você já comia normalmente, é importante que isso aconteça de forma lenta e gradual, de modo a não gerar nenhum transtorno para o seu corpo.

Além disso, a reintrodução dos alimentos ajuda a impulsionar o hormônio leptina, que é importantíssimo na queima de gordura.

Agora que você já aprendeu mais sobre o o cutting – inclusive já sabe que “dieta cutting” não existe -, é hora de colocá-lo em prática! Mas não se esqueça de fazer um planejamento para o período, como prazo de término e afins.

E claro, não se esqueça de buscar auxílio de um profissional especializado para te orientar em todos os momentos.

 

 

Comentários