comida japonesa

Comida Japonesa: ela pode não ser tão saudável quanto você pensa

A comida japonesa é tida por muitos como uma refeição com menor número de calorias, e por isso tá liberado abusar dela. Mas não é bem assim, saiba mais!

A comida japonesa é tida por muitos como um alimento saudável e mais ‘light’ em comparação a outras refeições, por ser composta prioritariamente por peixe cru, arroz e vegetais.

Por isso, muita gente que faz dieta e procura ter uma alimentação mais saudável acaba caindo de boca na comida japonesa, mas será que ela é mesmo a melhor opção na busca por alimentos de baixa calorias?

Em geral, os restaurantes japoneses trabalham com uma grande variedade de pratos, porém os mais pedidos são os sushis, sashimis, ceviche, carpaccio, temakis, tempurás, shimeji e outros.

Nem todos são realmente de origem japonesa, mas todos são tidos como saudáveis e que podem ser consumidas à vontade, pois contém baixo teor de calorias e alta quantidade de proteína.

Mas a real é que as comidas ‘japonesas’ são saudáveis até certo ponto. Saiba mais!

Comida Japonesa: ela pode não ser tão saudável quanto você pensa

Sushi

Tradicionalmente, os sushis são uma opção saudável.

Porém, no Brasil, este alimento sofreu algumas alterações que, muitas vezes, levam adicionais como cream cheese, maionese, frituras e outros ingredientes que aumentam o número de calorias, o teor de gordura e deixam o prato menos saudável.

Existe uma infinidade de opções de sushis e os mais saudáveis são aqueles compostos por peixes, algas, vegetais e pouco arroz.

Aliás, o arroz usado para fazer sushis são feitos geralmente com açúcar e vinagre de arroz para ajudá-lo a ficar juntinho e firme.

O problema é que esse arroz branco já é rico em carboidratos e a adição de açúcar causa um maior pico dos níveis de sacarose no sangue e insulina, o que contribui para o acúmulo de gordura corporal e causa um maior risco a diabetes tipo 2 e outras doenças.

Sashimi

Este não tem como não ser saudável, né? É só o peixe cru. Realmente, é a opção mais saudável, entretanto há três pontos que precisam de atenção na hora de consumir o sashimi.

O primeiro é a quantidade. Por acreditarem que é um alimento saudável, as pessoas abusam, e, como qualquer outro alimento, o consumo em excesso não é benéfico para a saúde.

O consumo em excesso de proteína é armazenada como gordura também, ultrapassar a quantidade calórica que você deve ingerir numa refeição não é nada saudável para seu corpo.

O segundo é que muitas restaurantes trabalham normalmente com salmão de cativeiro, que são mais pobres em ômega 3 e muitas vezes recebem ração com corante, excesso de gordura, antibióticos e outros medicamentos, além do risco de conter alta quantidade de mercúrio.

O terceiro e último problema do consumo de sashimi é que normalmente estes são acompanhados por alta quantidade de molho de soja, que contém um elevado teor de sódio.

Temaki

O Temaki é um alimento servido em formato de cone, como um sorvete, mas a casca é feita de alga que envolve normalmente peixe, arroz, cream cheese e/ou molho tarê.

Já falamos sobre o excesso do consumo de arroz e como o próprio é feito, então esse é um dos primeiros problemas. Para piorar, os Temakis são feitos normalmente com uma quantidade bem grande de arroz.

Outro problema é a quantidade de cream cheese, o ideal é sempre estar em uma quantidade moderada, e quanto mais simples for o seu Temaki, melhor.

Shimeji

Shimeji são cogumelos e é um alimento bem saudável, pois possui uma tabela nutricional equilibrada em relação às quantidades de macronutrientes e ainda são ricos em algumas vitaminas e minerais.

O grande problema é que muitas vezes ele é preparado com uma alta quantidade de manteiga e shoyu. É claro que se consumido com controle não tem nenhum problema.

Para se ter uma ideia 100g de shimeji refogado na manteiga pode chegar a fornecer 250 calorias.

Pense que são 250 calorias mais todas as calorias dos alimentos que você consumiu ou vai consumir nesta mesma refeição. Então, cuidado na quantidade!

Tempurá

Os tempurás, assim como guioza e o rolinho primavera são alimentos fritos, como outros pratos que vêm sendo servidos em restaurantes japoneses.

Apesar de alguns deles serem feitos com vegetais – alimentos saudáveis – são levados à fritura, o que os torna alimentos de alto valor calórico e rico em gorduras. 

Por isso, estes alimentos devem ser evitados ao máximo.

Condimentos

Os pratos japoneses são servidos com alguns molhos e condimentos, sendo alguns super saudáveis e outras nada saudáveis.

Para saber quais o melhores, se liga nesta lista:

  • Gengibre: é um excelente alimento, possui diversas funções no organismo, tem diversas propriedades medicinais e ainda auxilia na redução de dor muscular induzida por exercício físico.
  • Wasabi: é uma pasta verde picante feita a partir da haste ralada da planta Eutrema japonicum. É muito rica em nutrientes e antioxidantes.
  • Molho de soja: como já foi falado, este molho contém alto teor de Sódio que causa inchaço, retenção de líquido e diversos problemas à saúde se consumido em excesso. Em 15 ml tem cerca de 900 mg de sódio – quase metade da recomendação diária.
  • Tarê: é um molho feito com molho de soja, saquê mirin (saquê culinário licoroso), açúcar mascavo e gengibre. Portanto, além de possuir açúcar, contém elevado teor de sódio.
  • Agridoce: o molho agridoce é feito de diversas formas, mas quase todos levam em sua composição o açúcar, que é claro que em excesso não é nada legal.

Que fique claro que ninguém está te proibindo de comer comida japonesa, mas essas dicas são para que você não ache que porque é saudável pode exagerar no consumo da mesma. 

Se você não come mais do que o necessário, e costuma ir em restaurantes que trabalham com peixes de boa procedência e não exageram nos acompanhamentos, está fazendo a melhor escolha!

O maior agravante é que a maioria dos restaurantes de comida japonesa trabalham com rodízio, onde as pessoas podem comer à vontade e isso faz com que consumam muito mais do que precisam, muitas vezes sem perceber que estão comendo além da conta!

LEIA MAIS: Café da manhã: porque você deve focar no consumo de proteínas
LEIA MAIS: Batata-doce: como sua forma de preparo pode alterar o índice glicêmico

Comentários