arat hosseini - idade certa começar a treinar

Bodybuilder mirim gera polêmica: existe idade certa para começar a treinar?

Com quantos anos uma criança pode praticar musculação? Quais os riscos que estão relacionados à prática nesta idade? Fique por dentro.

Dizem que as crianças de hoje só querem saber de tablets e TV on demand, mas esta não é a realidade do Iraniano Arat Hosseini. Com apenas 4 anos de idade, o “bodybuilder mirim” gera polêmica e discussão: afinal, existe idade certa para começar a treinar?

No caso do iraniano, o garoto parece ter a força de um homem de 20 anos e faz absurdos com o próprio peso corporal. Outro exemplo já citado aqui no Feito de Iridium é o chinês Chen Yi de apenas 7 anos, que tem um físico de dar inveja em muito marmanjo.

Mas será que é saudável colocar a criançada para treinar tão cedo? Quais as consequências – positivas ou negativas – que isso pode trazer? A gente foi a fundo no assunto.

Quer saber tudo a respeito? Veja o que dizem especialistas, aí embaixo!

Bodybuilder mirim gera polêmica: existe idade certa para começar a treinar?

 

Quem é Arat Hosseini?

Como foi dito acima, Arat tem 4 anos e nasceu no Irã. A criança impressiona não só pela força, mas também pela agilidade e flexibilidade.

O garoto treina desde 1 ano de idade, quando seu pai percebeu que ele era diferente das demais crianças.

Inclusive, o pai de Arat largou o emprego em horário integral para poder treinar o filho e torná-lo um exímio atleta.

A intenção é que Arat se torne um excelente ginasta e, quem sabe, traga medalhas de ouro para o Irã.

Mas treinar logo cedo é saudável?

 

De acordo com o Conselho Americano de Exercício (American Council on Exercise) musculação ou exercícios resistidos melhoram a força muscular.

Além disso, aumentam a densidade óssea e reduzem o colesterol das crianças.

Esta metanálise corrobora com a entidade que analisou diversos estudos com crianças de 6 a 18 anos de idade.

O ganho de força ocorreu de forma exponencial conforme o passar da idade, mas na puberdade o crescimento não foi tão acentuado quanto o esperado, havendo um crescimento linear.

Os estudos mostram que sob supervisão de um profissional competente, o trabalho com alguma resistência não acarreta malefícios a saúde da criança, somente benefícios.

Mas isso não significa que as crianças estão liberadas para irem às academias levantar pesos como se fossem o Arnold.

Na verdade, o programa ideal de treinamento para as crianças não precisa envolver pesos.

“O corpo não sabe a diferença entre uma máquina de musculação ou o peso corporal, um halter ou um elástico, basta utilizar os padrões de movimentos adequados”, diz Fabio.

Incluir atividades mais lúdicas e circuitadas com medicine ball, cabos de vassoura, cordas navais pequenas e peso corporal está de ótimo tamanho para os pequenos.

Um programa de força com pesos nessa faixa etária tem um benefício muitas vezes negligenciado.

Crianças com excesso de peso podem ter a chance de se destacar em uma modalidade física, ao invés de sofrerem com bullying na escola.

Qual a idade para se começar?

 

Para a maioria das crianças, por volta dos 6 a 8 anos de idade já estão aptos a seguir instruções de um professor.

De maneira que elas entendam a forma correta de execução dos movimentos e sigam os procedimentos de segurança, incluindo sempre o aquecimento e desaquecimento.

A Academia Americana de Pediatria – Conselho de Medicina Esportiva e Fitness (The American Academy of Pediatrics Council on Sports Medicine and Fitness) adverte:

É contra o treinamento com pesos antes deste tempo, porque as habilidades de equilíbrio e controle do corpo ainda não estão totalmente desenvolvidas.

De acordo com Fabio Pasetto “Independentemente da idade, uma criança deve começar com pesos leves e sem se preocupar com o volume de repetições.

Tudo deve ser adaptado para as necessidades daquela criança. A abordagem deve ser lúdica, mas com muita seriedade na execução técnica dos movimentos”.

E esse corpo dos garotos?

 

Podemos atribuir esses corpos à genética. Assim como os adultos, alguns tem uma genética privilegiada.

Fabio explica “sem dúvida, a alimentação e excesso de exercício tem um papel importante e representativo nos corpos dos garotos, mas sem uma genética favorável isso não seria tão perceptível”.

De forma geral, uma criança pequena não desenvolverá músculos maiores ao treinar força.

Os hormônios responsáveis pelo crescimento com a testosterona ainda estão extremamente baixos, só ficando presentes de forma significativa na puberdade.

“Após essa fase aí sim a hipertrofia pode acontecer”, completa Fabio.

LEIA MAIS: O treino do atleta que vai substituir Arnold em ‘Exterminador do Futuro 6’
LEIA MAIS: ‘Mini Hulk’: atleta supera o nanismo para se tornar bodybuilder

Comentários