anti-inflamatório

Anti-inflamatório atrapalha recuperação e inibe hipertrofia, aponta estudo

Muita gente tenta superar as dores e continuar treinando tomando remédio anti-inflamatório. Só que isso é um erro, que pode inclusive arruinar seus ganhos.

Pequenas lesões são comuns para quem treina. E também é comum encontrar atletas na academia que tentam superar as dores e continuar treinando tomando remédio anti-inflamatório. Só que isso é um erro, que pode inclusive arruinar seus ganhos.

Se você está com dor na lombar, com uma tendinite, ou com alguma dor muscular ou nas articulações, é bastante provável que seu instinto seja tomar um remédio anti-inflamatório e seguir a vida.

Só que essa não é uma boa atitude – ou, pelo menos, não é uma boa fazer isso por conta própria. Não apenas porque se automedicar é um erro, mas porque tomar um anti-inflamatório quando não há necessidade vai até diminuir a dor na hora e permitir que você treine, mas aumenta o risco de lesões e, pior, retarda a recuperação.

Anti-inflamatórios como ibuprofeno e ácido acetilsalicílico (aspirina) reduzem o fluxo sanguíneo e a entrega de toxinas na área lesionada, mas, ao mesmo tempo, também impede que nutrientes cheguem ao local, retardando a recuperação.

Para piorar, um estudo recente comprova que os anti-inflamatórios cujo principal componente é o ibuprofeno (como Advil, Alivium, Algiflex, Doraliv, Ibuprofan, entre outros) inibem a hipertrofia muscular.

Ou seja, não adianta nada tomar esse tipo de remédio para poder treinar, porque ele simplesmente vai sabotar seu esforço na academia. 

anti-inflamatorioSome a isso o fato de ele retardar a recuperação, e pronto, não faz muito sentido usar essa medicação – exceto, claro, se o seu médico recomendar (mas aí é provável que ele te deixe “de molho” e afastado da academia por uns dias).

No estudo citado acima, jovens de 18 a 25 anos foram divididos em dois grupos. O primeiro recebeu a dose diária recomendada de ibuprofeno (1.200mg) enquanto outro foi medicado com doses pequenas de aspirina (75mg).

Os dois grupos, então, realizaram trabalhos de musculação, com exercícios de levantamento de peso. Hipertrofia e força foram medidas durante toda a pesquisa.

Então, os pesquisadores descobriram que a hipertrofia muscular daqueles medicados com aspirina foi duas vezes maior do que os que consumiram ibuprofeno. Além disso, o grupo da aspirina também desenvolveu mais força.

No fim das contas, o importante é não se automedicar em nenhuma condição. Mas, se você quiser mesmo tomar um remédio deste tipo para não perder uma sessão de treino, prefira outras opções que não o ibuprofeno. Ou você estará colocando seu esforço em risco.

LEIA MAIS: 5 melhores exercícios para aliviar a dor do nervo ciático 
LEIA MAIS: Verdade ou mito: a soja diminui os níveis de testosterona? 
LEIA MAIS: Como probióticos e prebióticos podem ajudar treinos e saúde

Comentários