6 mitos crescimento muscular

5 mitos sobre crescimento muscular que todo mundo acredita

9 de 10 caras que vão à academia em busca de crescimento muscular não atingem seus objetivos. A resposta pra isso pode estar aqui.

Nove de cada dez caras que vão à academia em busca de crescimento muscular não atingem seus objetivos – ou, pelo menos, não no tempo que desejam. Mas isso pode ser diferente com você.

Porque existem dezenas, ou talvez centenas, de motivos que podem impedir alguém de fazer seus músculos crescerem.

Pode ser um treino ruim, pode ser a má alimentação, pode ser a falta de descanso e de um sono adequado. Mas pode ser também a crença em ideias que não tem nada de verdadeiras.

Quando o assunto é musculação, existem vários mitos que se proliferam como verdades e muitos desavisados caem. Seja por confiarem em sites mais preocupados em atrair cliques do que em ajudar os leitores, seja por não terem suporte especializados, seja por acreditarem em tudo o que ouvem numa academia, entre várias outras possíveis explicações.

O fato é que existe muita gente que acredita em bobagens, e a gente decidiu resolver este problema de uma vez por todas. Veja, abaixo, alguns mitos sobre crescimento muscular que muita gente acredita e que podem estar arruinando seus resultados.

6 mitos sobre crescimento muscular que todo mundo acredita

1- Quanto mais séries fizer, melhor

Exceto se você for um bodybuilder profissional, e dos mais vencedores, fazer 17 séries para cada grupo muscular com certeza não vai te ajudar a ficar gigante.  

Na real, fazer muitas séries por sessão só pode te levar ao overtraining – ou “excesso de treino” -, o que vai causa uma sensação de cansaço excessivo, abaixar seu sistema imunológico e te fazer catabolizar.

Quando você treina, seu sistema endócrino libera hormônios como testosterona, hormônio de crescimento e insulina, que levam seu corpo ao anabolismo. No entanto, o corpo entende que o exercício é uma situação de estresse, produzindo também o cortisol.

Esse hormônio ajuda a aumentar o açúcar no sangue e combate as inflamações, mas quando chega a um nível muito alto, por muito tempo, interfere na capacidade do seu corpo de fazer a síntese de proteínas que permite o crescimento muscular.

Portanto, num programa de treino adequado para te fazer crescer evite passar mais de 45-60 minutos por sessão. O personal trainer Fabio Pasetto sugere, para hipertrofia, de 10 a 14 séries num programa periodizado, no qual deve-se aumentar o numero de séries de forma progressiva.

2- É preciso sentir queimar para crescer

musculo queimando

Sim, é preciso sentir os músculos trabalharem.  Não, não é preciso deixar os músculos “queimarem”.

Essa sensação de “queima” significa apenas que o músculo trabalhado está produzindo acido lático – um estimulador do anabolismo no corpo que, em excesso, vai produzir o mesmo efeito do cortisol, citado no item 1. Não tem nada a ver com as microlesões que você quer causar na fibra muscular, para ela se recuperar e voltar maior e mais forte.

Portanto, séries muito longas de Drop set, Supersérie ou Burnout são altamente desnecessárias e muitas vezes até catabólicas.

A chave para o sucesso é a sobrecarga. De forma progressiva, semana a semana, aumente a carga de trabalho sem nenhum treino milagroso ou gigante.

3- Quanto maior a carga, melhores os resultados

lesão

Nas academias, é muito comum ver caras que treinam muito pesado, mais pesado até do que aguentam. A maioria das pessoas acha que para ficar grande é necessário levantar o maior peso possível. Isso provavelmente vai sobrecarregar músculos, tendões e ligamentos e causar lesões.

E, você sabe… maromba lesionado não pode treinar, então a última coisa que vai acontecer com quem treinar com cargas acima do seu limite é ficar gigante.

Na verdade, o correto é você treinar pesado, mas mantendo sempre a qualidade e amplitude do movimento – e isso se torna inviável com uma carga inadequada.

Por isso, coloque a carga ideal para permitir fazer um movimento da forma mais qualificada.

LEIA MAIS: 7 coisas sobre bodybuilding que não passam de mitos da ‘bro science’ 
LEIA MAIS: 5 pontos essenciais do processo de recuperação muscular 
LEIA MAIS: 3 passos para sair do zero e chegar a 25 repetições na barra fixa

4- O treino pode ser um momento descontraído

engraçadao

Não confunda “diversão” com um “descontração”. Você pode (e deve) se divertir enquanto treina, mas este deve ser um momento sério, de concentração, foco e disciplina. Musculação e bagunça não combinam – a não ser que você esteja na academia para fazer “social” e não para crescer.

Muita gente não leva os treinos tão a sério quanto deveriam. Ou você nunca viu alguém fazendo piada no meio de um exercício, descansando mais do que devia entre um treino e outro, e tantas outras coisas que não têm nada a ver com o treino em si?

Um treinar sério é intenso, às vezes até desconfortável. Você pode ter vontade de não fazer aquela ultima série de vez em quando. As dores musculares podem te incomodar vez ou outra. Ou o tendão no ombro pode te machucar num treino. É nesse dia que a sua cabeça deve jogar a seu favor e te ajudar a terminar a sessão. Se está com dor, reduza a amplitude ou a carga e cumpra seu dever!

O seu resultado será igual ao seu esforço e sua disciplina.

5- O mais importante para o crescimento muscular é treinar

Não dá para negar que é fundamental treinar se você quer crescer. Mas não dá para dizer que o treino é o mais importante. Descanso e alimentação são igualmente importantes – juntos, são os três pilares do crescimento muscular.

Se um pilar cair, os outros também tombam. Logo, não acredite neste mito babaca. Treinar é essencial, mas tão importante quanto descansar adequadamente e se alimentar bem. E todos merecem o mesmo cuidado, atenção e dedicação.

Se você treinar corretamente, mas errar na alimentação, não vai sair do lugar. Se comer direito e treinar melhor ainda, mas não tiver descanso, não vai sair do lugar. E assim por diante.

As três coisas devem andar juntas. Sempre. Nunca. Esqueça. Disso.

E aí… você acreditava em alguns desses mitos?

Comentários