no pain no gain rosca biceps treino dor dores

Dores não são sempre positivas: 3 dicas para evitar aquelas que são mau sinal

Sentir dores não é sempre um sinal de quem o treino foi bom. Pode ser, mas pode não ser também. Veja o que fazer para evitar que isso se torne um problema!

A discussão sobre o papel da dor no treino e nos resultados de quem treina não é nova. Mas parece que também não envelhece.

Porque converse com pessoas que frequentam a academia, e você ainda vai encontrar milhares que continuam achando que dor é sempre um bom sinal, e que quanto mais dor, mais resultados.

É fato que a dore pode ser um bom sinal, como também é fato que pode ser um aviso do corpo de que algo está (muito) errado. 

Por isso, sentir dor muscular no geral não deve ser visto como algo normal – pode ser um indicativo de que você executou o treino de forma errada, que você está colocando muita carga num músculo específico ou algum outro problema, e não necessariamente que seu treino gerou ótimos resultados.

Mas como diferenciar se a dor que você sente após o treino é um bom ou mal sinal? Se liga:

dores musculares

 

Dores durante o treino? Você pode estar treinando errado!

Todo treinamento induz à lesão, afinal o próprio desenvolvimento muscular acontece por causa das microlesões nas fibras musculares que, para se adaptar ao estímulo, aumentam de tamanho e ficam mais fortes.

Mas dor é o seu cérebro sinalizando que seu corpo está entrando numa zona estranha, que ele entende como perigosa. Não necessariamente será perigosa – como a dor causada pelas microlesões causadas nas fibras musculares não são -, mas pode ser – quando existe de fato uma lesão grave.

Quando você treina, expõe seu corpo a um estímulo novo, e qualquer ação sobre o seu músculo onde seu corpo não esteja acostumado, pode causar um incômodo, que depois acaba passando conforme seu organismo começa a se adaptar a esse estímulo.

Por isso, sentir dor durante o início de algum treino mais pesado é completamente normal.

O que não pode ser considerado normal é se essa dor persistir, e por mais legal  que seja sair mostrando por aí que tá todo quebrado, essas dores podem acabar em lesões, e você corre o risco de ter que passar um tempo sem treinar.

O problema com essa mentalidade “sem dor, sem ganho” é que isso pode trazer dores “reais”. Dores causadas por lesões devem ser tratadas com cuidado, e certamente não são um pré-requisito para se obter bons resultados.

No final das contas, dor é dor, e é difícil saber diferenciar a dor “positiva” daquela que aponta um problema sério. Para isso, é preciso bom senso. E algumas dicas podem ajudar a evitar que aconteçam as dores desse segundo caso, que é realmente prejudicial e perigoso, 

Se o seu objetivo principal é o aumento da massa muscular, alguns conselhos valiosos podem te livrar da dor, e isso não tem nada a ver com fazer um treino leve:

dores treino

Dores não são sempre positivas: 3 dicas para evitar aquelas que são mau sinal

1- Livre-se do seu ego

É fato que musculação enche o ego de qualquer um. Na hora de puxar ferro bate aquela sensação boa de poder, e você sempre acha que consegue ir mais além – e talvez dê mesmo.

Essa motivação é ótima para o seu treino, mas às vezes, por pura vaidade, pode te levar a colocar mais peso do que seu corpo pode suportar. Por isso, vá com calma!

Uma carga elevada não é o que vai garantir um bom treino. Muitas vezes, cargas menores são importantes para que você pratique a forma e a técnica e execute os movimentos com perfeição – e acredite: isso é muito mais importante do que levantar uma tonelada com uma técnica porca (o que só vai te arrumar uma lesão).

Depois de se aperfeiçoar no exercício, e quando seu corpo já estiver pedindo por uma carga maior, você poderá pegar mais pesado.

2- Desacelere

Muitas pessoas acham que forçar o treino ou aumentar o número de repetições de uma série até seus músculos queimarem de dor são a garantia do desenvolvimento máximo da massa muscular.

Esse tipo de pensamento não é só errado como também pode gerar uma má execução dos movimentos, que por sua vez vai causar dores tardias indesejáveis ou até lesionar o músculo, deixando você um bom tempo “de molho”.

É comum realizar repetições o mais rápido possível, em um esforço para superar a fadiga e levantar o máximo de peso que puder. Mas para alcançar um bom desempenho no treino, diminua a velocidade.

Pode parecer chato no início, mas com o tempo vai perceber que seus músculos continuam crescendo sem que você precise forçá-los demais. E não queira fazer séries sempre até a falha. Essa é uma boa técnica, mas precisa ser usada com inteligência – a gente já falou a respeito neste outro post.

3- Tempo sob tensão

Uma boa saída para obter um maior crescimento de massa muscular, para quem não quer sentir tantas dores, é investir em treinos que aumenta o tempo sob tensão muscular, deixando as repetições exageradas de lado.

Quando o objetivo principal do seu treino é a hipertrofia, quanto mais tempo um músculo é colocado sob estresse, maior seu potencial em desenvolvê-lo.

Você deve aplicar ao músculo-alvo uma quantidade significativa de tensão por um período de 20-40 segundos de estresse.

Esta é uma ordem difícil para a maioria, uma vez que você provavelmente terá que reduzir a quantidade de peso na barra.

No entanto, como falamos acima, é preciso deixar um pouco o ego de lado nessas horas.

Enfim, por mais que muita gente não dê o devido valor a isso, e ache tudo uma baboseira, acredite, treino pesado e dores não são garantias de músculos maiores.

E no final o que realmente importa é ficar monstro, da maneira mais saudável para o seu corpo!

E aí, pronto para encarar um treino sem dor?

Comentários